!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

24.7.17

#BeautyBeyondSize: Carta para o meu corpo


Querido Corpo,

Durante grande parte da minha vida, eu e tu tivemos uma relação difícil. Durante grande parte da minha vida, eu não te amei como devia, não te valorizei nem apreciei. Fiz, disse e pensei coisas horríveis acerca de ti. Fiz sempre tão pouco, e esperei sempre tanto de ti. Durante anos, andei em guerra contigo, sem saber que estava a prejudicar-nos a ambos. Concentrei-me mais nos nossos erros do que nas nossas vitórias. Por tudo isto, peço imensas desculpas. Com este carta pretendo documentar este pedido de desculpas, e contar a história de como voltei a amar-te.

Sinto-me arrependida pelos dias que passei triste, por ser demasiado magra e alta comparativamente com as outras raparigas. Olhando para trás agora, sei que foi parte do meu crescimento, cresci mais rápido do que o que contavas, pelo que não conseguiste fazer com que ganhasse peso num tão curto espaço de tempo. No entanto, quando eu tinha 10 anos, não fui capaz de compreender isso, e culpei-te, por me fazeres sentir tão estúpida, esquisita e tão deslocada. Numa tentativa de remediar a situação e parecer-me mais com as raparigas populares que eu considerava bonitas, comecei a comer inúmeras gulosices sem fome, numa tentativa de ganhar peso, mas sempre em vão. Parecia que te recusavas a engordar, e todas as minhas tentativas foram falhadas. Vi-me obrigada a parar quando a minha mãe reparou que comia às escondidas. A partir daí, sobre a vigilância constante da minha mãe, não pude fazer mais nada, mas continuava a odiar-te e a culpar-te por me fazeres sentir tão mal.

Eventualmente, cresci, e tu também. Evoluíste para formas mais bonitas e mais saudáveis. Por volta dos meus 15 anos, eu e tu andámos numa fase de paz, em que eu te elogiava, admirava-te e respeitava-te, tal como o merecias. Sentia-me bonita, tinha um bom metabolismo, podia comer tudo o que quisesse sem engordar, e os comentários maldosos que diziam o contrário não me convenciam. Era tudo inveja. Andávamos, eu e tu, felizes, e parecia que nada poderia estragar essa felicidade. Contudo, isso foi sol de pouca dura.

Por volta dos meus 17 anos, por ironia da vida, passei do 8 para 80. Se antes me queixava da minha magreza extrema, comecei a queixar-me de estar a engordar. A pílula resolveu os meus problemas de acne, mas fez-me ganhar formas de mulher e engordar rapidamente.  Voltei a odiar-te e a tratar-te mal. Embarquei em muitas dietas restritas, mas que não me garantiam bons resultados. Perdia 1 quilo numa semana, mas ganhava 2 na seguinte. Comecei a ficar obcecada com as calorias, contava todas as que comia. Comecei a ficar cada vez mais triste e revoltada e, se a minha prima nutricionista ( na altura, estudante de Nutrição), não tivesse intervindo, não sei o que é que nos teria acontecido.

A minha prima ajudou-me a criar uma dieta em que eu perdesse peso, não tivesse fome e, sobretudo, me alimentasse de forma saudável. A pouco e pouco, fui perdendo peso, voltei a sentir-me bonita e, mais importante que tudo, voltei a amar-te. Deixei de pensar e dizer coisas horríveis sobre ti, deixei  de te maltratar e deixei de te insultar. A pouco e pouco, fui construindo uma relação de amor e confiança contigo.

O nosso caminho foi longo e duro mas agora, finalmente, consigo compreender tudo. Obrigada pela paciência que tiveste comigo, durante todos estes anos, para aturar e suportar todo o mal que fiz. Obrigada pelas lições valiosas que me deste, sobre autoconfiança, amor próprio e, sobretudo, por me ensinares a tratar-te da maneira que mereces. Abriste-me os olhos para a realidade de que todos nós só temos um corpo, e é nosso dever tratar deste como se fosse algo sagrado, um templo, porque a nossa saúde é algo que devemos estimar.

Mas a maior lição que aprendi com isto tudo é que a nossa beleza não se define pelo número que aparece na nossa balança. A nossa beleza define-se pelo quão saudáveis e felizes somos. E ninguém, nem mesmo a estúpida da sociedade, nos pode dizer o contrário.

Peço, mais uma vez, desculpa por todo o sofrimento que te causei, e agradeço-te por teres sido paciente e teres esperado para que eu aprendesse as minhas lições. Daqui para a frente, tudo será melhor. Espera-nos um futuro que, certamente, nos irá trazer muitos alegrias, se ficarmos sempre unidos.


(Este post insere-se no projeto "#BeatyBeyondSize", trazido à blogosfera portuguesa pela Sónia Pinto do blog " She Writes". Para mais informações, cliquem aqui)

39 comentários:

  1. Gostei do teu texto
    Devemos gostar de nós tal como somos :)
    Beijinhos

    Blog ChocoPink / Instagram / Facebook

    ResponderEliminar
  2. Gostei de te ler. A adolescência é uma montanha russa - mais de emoções, mas também física. E grande parte de nós passou por isto - ou vais passar - por isso obrigada pelo teu testemunho! <3

    Jiji

    ResponderEliminar
  3. Cobramos tanto da gente e é claro do nosso corpo.


    bjokas =)

    ResponderEliminar
  4. Obrigada por partilhares o teu testemunho connosco!
    A relação com o nosso corpo nem sempre é mais feliz. Pode, inclusive, ser um processo demorado e penoso para ambas as partes. Nem sempre tomamos as melhores decisões e as consequências são visíveis. Mas eventualmente crescemos e começamos a compreender a verdadeira importância das coisas.
    «A nossa beleza define-se pelo quão saudáveis e felizes somos», acho que esta é a frase chave!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada eu por leres :).
      É um processo bastante difícil e demorado mas, Quando finalmente conseguimos estabelecer uma relação de harmonia com o nosso corpo, vale tudo a pena :).

      Eliminar
  5. Acho que poucas raparigas não passaram por uma má fase da relação com o seu corpo :/
    Como dizes, o mais importante é ser saudável e feliz!

    ResponderEliminar
  6. Que testemunho tão genuíno e tão bonito! Infelizmente a sociedade nem sempre reage da melhor forma: eu porque tem peso mais, ou porque tem peso a menos e nunca estão contentes. Contudo o mais importante é nós nos sentirmos felizes com o nosso corpo, cuidarmos dele e tratá-lo com todo o amor que ele merece. Que bom que tu e o teu corpo fizeram as pazes e descobriram a felicidade.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada :). A sociedade, infelizmente, só sabe criticar. É mesmo assim que temos que fazer :).

      Eliminar
  7. Um texto para todos os corpos. Nem sempre é uma relação fácil de facto, mas se tivermos a nossa mente no caminho certo o corpo estará também :)

    ResponderEliminar
  8. Gostei imenso do texto! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Eu ainda não fiz as pazes com o meu, sinto-me preso nele e não o reconheço como meu, quando chegar ao peso que quero talvez possamos sanar as nossas diferenças.
    A verdade é que fiz tantas dietas durante os anos, mas não vale a pena, na minha opinião não existe dieta que ajude a perder peso e a mantê-lo saudavelmente, existem sim mudanças de vida, fiz mudanças alimentares para a vida, não encaro como dieta.

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que, em breve, consigas encontrar paz com o teu corpo. É um processo difícil, mas que vale mesmo a pena :).
      Na verdade, a definição de dieta é mesmo essa, é uma mudança de hábitos de vida. A sociedade é que criou um conceito errado de dieta, que é não comer duas semanas e depois voltar ao mesmo.

      Eliminar
  10. r: obrigada pelo teu comentário.

    Acho que todas nós temos essa fase e exigimos muito de nós próprias. As hormonas e a adolescência. Ainda bem que agora te aceitas tal e qual como és, um beijinho :*

    ResponderEliminar
  11. ADOREI! ADOREI! ADOREI! Cada vez gosto mais da tua escrita babe!
    THE PINK ELEPHANT SHOE

    ResponderEliminar
  12. Fui tal e qual como tu nos meus 14/15 anos! Praticamente sofria bullying por ser a mais alta e magra. Não havia nenhum rapaz mais alto que eu na minha turma, ou seja, eu era a pessoa mais alta. Todos me gozavam imenso "ah que pernas tão finas", e afins. Também quis engordar, e tentei fazê-lo mas, graças a Deus, no ano seguinte conheci imensa gente mais alta que eu e os meus pensamentos acalmaram.
    Fico super feliz que agora estejas, novamente, em paz com o teu corpo. Temos, sim, que nos aceitar tal como somos! É como dizes, a sociedade não nos pode impor nada! Se alguém tem de gostar de nós, somos nós :3
    Beijinhos,
    Blog An Aesthetic Alien | Instagram | Facebook
    Youtube

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, a adolescência não é nada fácil. Estamos a sofrer mudanças no nosso corpo e, ao mesmo tempo, temos que estar sujeitos às críticas dos outros.
      É mesmo assim que temos que pensar :).

      Eliminar
  13. Estava fazendo o meu comentário no seu post bem na hora que meu computador travou e tive que desligar, pensei em deixar pra trás e não comentar mais, mas seu texto de alguma forma me prendeu e a cada paragrafo me sentia identificada com suas palavras, nunca pensei por este lado mas precisamos nos importar com o nosso corpo, pois como você disse só temos um, e com ele que temos que se importar,cuidar e amar! Incrível essa carta, obrigada por compartilha-lá conosco! Abraço apertado!
    www.bloganyduarte.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, sendo assim obrigada por teres dado ao trabalho de voltar a escrever um comentário :). Muito obrigada pelos elogios :).

      Eliminar
  14. Muito obrigada por teres participado, Cherry! Inovaste com a introdução de uma carta e o resultado ficou maravilhoso. É bom ler este teu testemunho. :)

    Beijinhos, linda!
    SHE WRITES

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada eu por me teres convidado:). Foi uma honra participar num projeto com o qual me identifico bastante.

      Eliminar
  15. Gostei das tuas palavras.
    Durante a adolescência nunca tive grandes problemas. Sempre tive tendência para engordar, mas também emagrecia facilmente.
    Quando casei, engordei como nunca! Nunca tinha tido aquele peso e quando o 'percebi' chorei imenso com isso.
    Nunca tive força para fazer dieta, mas um grande susto a nível de saúde deu-me o incentivo que eu precisava.
    Consegui perder, mas voltei a recuperar algum.
    Hoje, quase-trinta, no inicio deste ano, resolvi ir para um ginásio e consultar uma nutricionista.
    Tem sido bom! O corpo já não se transforma da mesma forma que aos vinte anos, mas aos poucos, vou ficando muito satisfeita.

    R: Foro intestinal? Já passei pelo mesmo e a minha sorte é gostar muito bananas. :) Rápidas melhoras!

    Um abraçinho forte d'

    A Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :).
      Não é fácil arranjar força de vontade para fazer dieta e para resistir às tentações. Mas fico feliz por teres conseguido, mesmo que tenha sido depois de um grande susto. Como costumam dizer, há males que vêm por bem :).

      Eliminar
  16. Excelente texto minha querida! A relação com o nosso corpo é uma aprendizagem continua, e o segredo para correr bem é aceitar e gostarmos de nós!
    Beijinho, Ana Rita*

    ResponderEliminar
  17. Olá querida seguidora :)

    Este é um comentário nada a ver mas passei para informar que... mudei o endereço do blogue :) Se quiseres atualizar (e passar por lá a mandar uns bitaites) é o:

    https://sempreentreviagens.com/

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por me informares da nova morada do teu carinho :). Certamente que passarei por lá:).

      Eliminar
  18. Wow, dear, your blog is amazing! I love it! <3
    Would you like to follow each other?
    If yes, please follow me on the my blog. I would be glad. ^_^
    I following you #337<3
    Have a nice day!


    www.cleopatrassecret.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thank you :). Sorte, i dont do follow for follow.

      Eliminar
  19. Adorei <3 Sem palavras! Muito bonito o teu texto! Apaixonei-me pela tua escrita!
    http://bolacha-mariaa.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  20. Amei o teu testemunho e adoro a forma como escreves
    beijinhos, Akira do Viver num t0

    ResponderEliminar