!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

23.4.17

Como te aceitares melhor a ti próprio/a


Tal como já tinha prometido, aqui está um post que espero que ajude muita gente. Depois de refletirmos sobre o motivo pelo qual muita gente não se consegue aceitar a elas mesmas, hoje achei importante falarmos sobre as maneiras de ultrapassarmos isso.

Como já partilhei aqui no blog, durante muitos anos, a autoaceitação foi uma batalha dura que travei e que continuo a travar todos os dias, apesar de agora ser uma pessoa muito mais confiante do que antes. Por isso, compreendo perfeitamente aquilo que outras pessoas poderão estar a passar.

Compreendo perfeitamente o que é olharmo-nos ao espelho e não gostarmos daquilo que vemos. O que é sentir que só fazemos asneiras. O que é sentir que há sempre alguém melhor do que nós. Porém, isto não é a realidade, todos estes pensamentos não passam disso, de pensamentos, pensamentos autodestrutivos que resultam de uma imagem negativa que nós criámos de nós mesmos.

Aceitarmo-nos a nós mesmos é muito difícil, sobretudo quando nos agarramos a estes pensamentos negativos e a expetativas irrealistas. O caminho para a autoaceitação é um caminho sinuoso, longo e muito difícil de percorrer.

As boas notícias é que é realmente possível aceitarmo-nos a nós mesmos. Se és uma pessoa que está a ter dificuldades com isso, este post é para ti. Não é uma receita 100% eficaz que te levará a um resultado certo, atenção, porém, se juntares a estas dicas uma boa dose de força de vontade e perseverança, certamente que, um dia, conseguirás atingir o teu objetivo, e serás uma pessoa muito mai ssegura de si mesma.


1. Escreve uma lista das tuas qualidades: A primeira coisa que tens que fazer para contrariares os teus pensamentos negativos e até autodestrutivos é escreveres uma lista com as tuas qualidades. Eu sei, eu sei, ao início não irá ser fácil, só te irás lembrar dos teus defeitos, mas continua a insistir  e verás que, passado algum tempo, te irás conseguir lembrar de algumas qualidades. Pensa em todas as situações em que já foste elogiado/a mas ignoraste, pensa nas boas ações que já fizeste, pensa nas coisas para as quais tens jeito, por mais pequenas que sejam ( nem que seja ter jeito para cuidar do jardim da tua casa)... Faz disto um hábito. Escreve uma lista assim todos os dias.Verás que, quantas mais listas escreveres, mais fácil será identificar as tuas qualidades, e mais fácil será identificá-las e, consequentemente, mais confiante te sentirás.

2. Aceita os teus defeitos: Ninguém é perfeito, não somos robots, portanto todos nós temos defeitos. Aceita-os, tenta mudá-los se possível, mas se tal não for possível, aceita o facto de que terás que viver com estes e que terás de arranjar uma forma de lidar com estes.  Aceita o facto de nem sempre dizeres o que é mais correto, de cometeres erros, de dizeres coisas quem nem fazem sentido, fazer coisas que também não fazem sentido... Todos nós temos as nossas falhas, por isso, não vale a pena fingir que somos deuses só com qualidades.

3. Esquece a perfeição: Tal como já disse, ninguém é perfeito. Portanto, se estás à espera de ser perfeito/a para só depois te aceitares e amares a ti próprio/a, então nunca gostarás de ti. Em vez de procurares a perfeição, procura ser melhor e dar o melhor de ti em tudo, a cada dia que passa. Tenta esforçar-te ao máximo e fazer o melhor que podes. Os resultados nunca serão perfeitos, mas serão melhores do que nunca tentar nada.

4. Para de viver segundo as expectativas dos outros: Hoje em dia, é muito fácil cair nesta armadilha. Estamos constantemente sujeitos à pressão de corresponder às expetativas dos nossos pais, conseguir viver segundo os padrões da sociedade, do nosso grupo de amigos,... Queremos tanto agradar a toda a gente que nos esquecemos do mais importante, que é agradar a nós próprios, e é por isso que somos tão infelizes e inseguros. Eu sei que é mais fácil falar do que fazer, mas pára de tentar viver a vida que os outros querem para ti. Tu aí não estarás a viver, estarás apenas a existir. A vida é tua, e tu tens o direito de fazer dela aquilo que quiseres.

5. Para de procurar a aprovação dos outros: A grande dificuldade em aprendermos a aceitarmo-nos a nós próprios é que nós costumamos basear a nossa autoaceitação na opinião que os outros têm de nós, o que é completamente errado. Nós não precisamos que os outros nos digam que somos bonitos para acharmos isso, nós não precisamos que nos digam que somos talentosos para acharmos que somos. O que os outros acham ou não acham de ti não te define, aliás, eles não têm nada a ver com aquilo que és ou deixas de ser. Demorei anos a perceber isto, mas agora é claro como a água. Não precisas da aprovação de ninguém para seres ou fazeres aquilo que queres. A única pessoa que te está a impedir és tu.

6. Não cries cronogramas imaginários para a tua vida: Esta foi uma das grandes dificuldades que eu senti, quando era mais nova. Existe um conograma clássico que muita gente segue: infantário, básico, primeiro namorado, secundário, universidade, festas, encontros, emprego, casamento, filhos,... Durante muitos anos, acreditei que, se não seguisse este padrão, não seria feliz, e a minha vida teria sido em vão. Durante muito tempo martirizei-me por, por exemplo, por nunca ter tido um namorado. A verdade é que nem todos temos que seguir este padrão, aliás, muitas vezes a vida troca-nos as voltas, o que nos impossibilita isso. Além disso, nem todos temos os mesmos sonhos, logo nem todos faremos as mesmas escolhas e seguiremos o mesmo caminho. Por isso, pára de criar cronogramas imaginários na tua cabeça, aceita o facto que certas coisas acontecerão quando tiverem que acontecer, e que não tens que fazer tudo o que os outros fazem. Se ainda não tens namorado, aproveita o melhor que ser solteiro/a te pode oferecer, e tem fé que um dia encontrarás alguém. Se não conseguiste entrar na universidade, continua a estudar e vais ver que vais conseguir ( e se a universidade não for para ti, não tem problema). Faz aquilo que está certo para ti e agarra as oportunidades quando estas surgem.

7. Pensa nos teus erros não como um fracasso, mas sim como um processo de aprendizagem: Há uns tempos atrás, escrevi um post sobre isto, que é muito útil se fores aquilo tipo de pessoa que ainda acha que errar é uma vergonha. No entanto, errar não é algo de que te devas envergonhar, é uma oportunidade para aprenderes, para seres melhor, e para tentares mais arduamente ou de forma mais inteligente. Pensa que todos os erros que estás a cometer agora contribuirão, de alguma forma, para te fazer evoluir e para te tornar numa pessoa melhor.

8. Não te compares aos outros: Não conseguirás aceitar-te a ti próprio/a se achares que os outros são mais bonitos/inteligentes/fixes do que tu. Se te tiveres sempre a comparar aos outros, acharás sempre que és inferior, e não conseguirás ver o que realmente há de bom em ti. Todos nós somos diferentes e belos à nossa maneira. Pode parecer um cliché, mas é a mais pura das verdades. Se fôssemos todos iguais, o mundo seria um lugar muito mais aborrecido. As nossas diferenças são aquilo que nos tornam interessantes.

9. Passa tempo sozinho: Passar tempo sozinho/a é uma oportunidade de fazeres aquilo que gostas ( como ler ou ouvir música), de relaxares, etc, mas sobretudo de refletires melhor sobre ti próprio/a, sobre aquilo que achas que és e aquilo que realmente és. É, portanto, uma oportunidade de, aos poucos, ires cosntruindo uma imagem mais positiva de ti próprio/a e de trabalhares na tua autoconfiança.

10. Perdoa-te: Os arrependimentos do nosso passado impedem-nos de nos aceitarmos em pleno. Perdoa-te, aceita os erros que cometeste e as situações que correram mal, e segue em frente. Não podes mudar o teu passado, mas podes mudar o presente e o futuro, e é nisso que te tens de concentrar.


E vocês? Já tiveram que aprender a aceitarem-se a vocês mesmos? Que conselhos dariam às pessoas que estão a passar agora pelo mesmo?

16 comentários:

  1. É sem dúvida um tema complexo. É sempre mais fácil falar do que fazer. Acho que todos temos um "ponto fraco" e onde nos sentimos mais inseguros. Seja físico, profissional, escolar, social, etc.
    O importante é mesmo não nos compararmos aos outros e nem esperar a sua aprovação,pois cada pessoa é uma pessoa. Acho que hoje em dia "os outros" têm demasiada influência.
    No entanto, somos sempre os nossos maiores críticos. Mas é muito importante aprendermos a aceitar como somos :) ótimo tema!
    Beijinhoos

    Automatic Destiny

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, nem sempre é fácil consegui-lo. Sim, todos nós temos as nossas inseguranças, mesmo que nos aceitamos a nós próprios, continuamos a ter algumas.
      Obrigada :).

      Eliminar
  2. Ser capaz de passar tempo sozinha e em paz comigo mesma é a prova de que me sinto bem na minha pele, ainda que haja dias mais difíceis - todos temos esses dias. E acho importante fazermos esse exercício para sermos melhores pessoas e termos objetivos mais focados.
    Felizmente nunca criei esses cronogramas de que falas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não poderia concordar mais contigo!
      Ainda bem :), nem imaginas o tormento que são!

      Eliminar
  3. Acho que é uma coisa que se ganha com a idade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também é, mas não só. Já conheci muita gente adulta, mas com mais inseguranças que um adolescente.

      Eliminar
  4. Não podias ter falado melhor!! Para mim o que mais me "marcou" foi, sem dúvida, os cronogramas imaginários! Não fui para a universidade e acredito que foi uma boa escolha mas agora não sei o que fazer e estou numa encruzilhada contudo não ia para a universidade apenas porque "é o que todos fazem". Se quero ser feliz tenho de fazer o que gosto e e não o que a "vida manda"!

    Beijinhos!!
    Black Rainbow Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se sentias que a universidade não era para ti, fizeste bem em não ir. Há certas fases na vida em que nos sentimos perdidos e sem saber o que fazer mas acredito que, com o tempo, descobrirás o teu caminho :).
      Exatamente, é esse o espírito!

      Eliminar
  5. Revi-me muito no que disseste no ponto 6. Cada pessoa tem o seu próprio cronograma... também já me martirizei por não ter namorada, mas agora, muito sinceramente, estou naquela de "ele quando tiver que aparecer, que venha!", mesmo olhando à minha volta e vendo que praticamente todas as minhas amigas têm um! Isso agora não me incomoda nada!

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu te compreendo! Antes incomodava-me imenso, mas agora já não. Vai acontecer quando tiver que acontecer :).

      Eliminar
  6. Gosto imenso destes tipos de post e acredito que este irá dar imenso jeito a muita gente! É fundamental sabermo-nos amar tal como somos, só assim é que um dia poderemos amar outros! Beijinho, Ana Rita*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, espero mesmo que ajude muita gente :).

      Eliminar
  7. É algo que o tempo pode ajudar, mas nem sempre. Tudo isso ajuda bastante. A minha experiência diz-me que a comparação é terrível, e buscar aprovação também - eu fazia isso muito mais do que deveria e sei como isso me fazia sentir mal. Deixei de me preocupar tanto com o que os outros pensam e isso tirou-me um peso de cima.
    Acho que a única coisa dessa lista que eu não fazia tanto era criar "cronogramas", não pretendia casar e ter filhos... Mas acabei por fazer as duas coisas haha. Isso, para mim, só prova que a espontaneidade acaba por nos tornar mais felizes do que a pressão para seguir esses "cronogramas" que achamos que devemos seguir.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que não fizeste esses conogramas,são terríveis! É, é por isso que um dos meus objectivos agora é deixar de fazer tantos planos e ser mais espontânea :).

      Eliminar
  8. Com toda esta procura pela perfeição, por vezes é difícil aceitarmo-nos e darmo-nos valor. A autoaceitação é realmente algo muito difícil, trabalhoso mas completamente recompensador. Já passei por fases em que não me aceitava e percebo bem o que aqui falaste, mas começar a aceitar-me foi o melhor que fiz, e hoje posso dizer que ando muito mais focada em mim, e nos meus objetivos e isso só me faz mais feliz. Claro que há dias mais difíceis, mas o essencial é não desanimar.
    Beijinhos,
    http://tlganna.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É ,de facto,muito difícil, mas bastante recompensador. Fico feliz por saber que também conseguiste travar esta batalha com sucesso :).

      Eliminar