!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

11.7.16

A felicidade é a melhor vingança


Um leitor do blog levantou no post " Porque devemos perdoar sempre as pessoas ( mesmo quando estas não o merecem)"   uma questão muito interessante: " Não vale a pena fazer o errado para se sentir bem, quem faz o mal deve ser punido e não perdoado e escapar da punição (...). Deixar que o outro se vingue por nós é um erro, porque nós deveríamos deixar que outra pessoa que não sofreu o que a gente sofreu escolha qual punição vai receber?" Este comentário foi no contexto de eu ter dito que, por vezes, temos que perdoar as pessoas que nos magoam, e deixar que a vida ( ou o destino) se encarreguem de os castigar.

Para começar, a vingança não é possível em muitos casos. Imaginem o caso de um aluno universitário que foi prejudicado injustamente por um professor, que lhe desceu a nota e reprovou-o numa frequência. O aluno não pode fazer nada a não ser estudar para o recurso e tentar sair-se melhor. Ou imaginem o caso de um chefe que explora os seus trabalhadores. A única coisa que eles podem fazer é continuar a trabalhar e esforçarem-se ao máximo, ou então ir para outro emprego que os faça mais felizes. A única vingança possível nestes casos é mesmo essa, a felicidade. E acreditem, a felicidade faz inveja a muita gente.

" Mas e nos casos em que podemos vingar-nos?", perguntam vocês. Eu respondo-vos com uma pergunta:  Será que vale a pena? Será que vale a pena descermos ao nível das pessoas que nos fizeram mal, e sermos tão más como elas? Eu acho que não, não vale a pena descermos ao nível dessas pessoas, mais vale perdoar a estupidez delas, para podermos seguir em frente e estarmos em paz. Criar planos vingativos só vai fazer com que nos magoemos ainda mais , vai levar-nos à exaustão, e todo o ódio e raiva que sentimos vai corrromper-nos. Não me parece, de todo, que essa seja a melhor escolha.

A final do Euro 2016, em que Portugal jogou frente à França, é o melhor exemplo disso. Quando lesionaram o Cristiano Ronaldo ( o nosso melhor jogador e capitão da equipa), quando os árbitros não assinalaram faltas (mas já assinalavam quando era a favor dos franceses), quando os franceses jogaram sujo, a seleção poderia ter feito o mesmo, poderia ter descido ao nível do adversário, e poderia ter-se vingado. Era o mais justo, mas não era o mais correto. Em vez disso, a seleção nacional jogou limpo durante todo o jogo, foram sempre leais aos seus valores e, desta forma, mostraram a sua grandeza e, no final, ganharam. E esta, meus amigos, é a melhor lição que poderíamos dar aos franceses, ganhar de forma limpa e sem batota.

A verdade é que não nos devemos vingar sempre de todo o mal que as pessoas nos fazem. Seria o mais justo, mas acabaríamos por nos magoar ainda mais, e não ganharíamos nada com isso. Podemos deixar que a vida se encarregue de dar uma lição às pessoas maldosas que nos magoaram ( o que já é um bom plano), mas também podemos vingar-nos de outra maneira: ao ser felizes. A felicidade é a melhor vingança. Não há nada que irrite mais as pessoas más do que ver os outros a terem uma vida boa e feliz. Põe-os malucos!

Portanto, quando se sentirem magoados, chateados, irritados ou revoltados com alguém, fiquem pouco tempo zangados, e depois saiam dessa tristeza e façam algo extraordinário! Não conseguimos mudar as outras pessoas, mas conseguimos mudar o nosso mundo. Raramente obtemos algo ao tentar dar uma punição a alguém. Por mais difícil que possa ser, têm de ser maiores do que o sofrimento que vos causaram. Têm que ser felizes e, ao fazê-lo, já estão a vingar-se.

9 comentários:

  1. Ora nem mais! Não há muito a acrescentar, pois disseste tudo, e de momento confesso não ter o que opinar! É como dizes, o que mais irrita os nossos inimigos é o brilho que exalamos e a felicidade de que nos rodeamos, quando o que eles mais querem é ver-nos lá em baixo! Sorrir na cara deles é a melhor resposta que lhes podemos dar!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente, não há nada que os irrite mais :).

      Eliminar
  2. Amén! Sempre pensei desta maneira, acho que a vingança acaba por fazer-nos pior que à pessoa que é vítima. O melhor que podemos fazer é esquecer e keep going on :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, acabamos por nos magoar ainda mais, e isso não vale a pena.

      Eliminar
  3. Sempre foi da mesma opinião e por isso concordei a 110% contigo. É que nem uma vírgula acrescentava ao que disseste e o jogo de Portugal VS França foi um ótimo exemplo. Era muitíssimo bom que todos nós fizemos as coisas dessa forma.

    http://mariana-a-desorientada.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O jogo de Portugal foi uma lição para os portugueses e para o mundo de como é possível atingir os nossos objetivos e sermos felizes sem precisarmos de deitar abaixo alguém, mesmo que essa alguém faça o mesmo connosco.

      Eliminar
  4. Estou totalmente de acordo. Não apoio atitudes vingativas e acho que isso diz mais da pessoa que as toma do que da situação em si. A felicidade é a melhor vingança!

    No entanto, a situação do aluno e do professor é um pouco paradoxal. Os professores são humanos e também erram, devemos falar com eles quando achamos que não foram corretos (mas compreendo o que quiseste dizer, claro, apenas acho que não foi o melhor exemplo). Por outro lado, o jogo Portugal x França foi o melhor exemplo que podias ter encontrado!

    E, noutra vertente, quando a situação nos ultrapassa e é mais grave do que uma "simples" nota dum exame, devemos tomar medidas - e não as vejo como vingança; é uma questão de justiça. Vi-me uma situação difícil este ano letivo com uma pessoa que se achava superior e dona da razão apenas por "hierarquicamente" estar num nível superior mas isso não me impediu de falar, de ser resistente e de sair "vencedora" da situação. A nossa condição de jovens, estudantes, raparigas, mulheres ou o que seja não pode ser impeditivo para alcançarmos a justiça. E essa não é uma atitude vingativa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, talvez não tenha sido o melhor exemplo. Há professores que cometem erros e devemos ir ter com eles e falar, obviamente. Eu estava mais era a referir-me ao caso de professores injustos que gostam de prejudicar intencionalmente os alunos só porque podem. Já encontrei muitos professores assim ao longo do meu percurso escolar, mas devo dizer que não levaram a melhor, porque eu provei ser boa aluna apesar das circunstâncias e cheguei onde cheguei, e isso é a melhor vingança.
      Percebo perfeitamente o que dizes, ir falar com as pessoas e tentar resolver a situação não é de todo uma atitude vingativa, muito pelo contrário, é uma boa atitude e muito justa :). Agora tentarmo-nos vingar da pessoa ao fazer-lhe o mesmo mal que nos fez ou pior ( normalmente fazemos sempre pior) é que não é correto.

      Eliminar