!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

27.7.17

7 YA clichés que eu odeio


YA fiction ou Young-Adult fiction são livros que se destinam a jovens entre os 12 e os 18 anos, mas que estão a ganhar cada vez mais popularidade entre adultos ( lê: 10 razões pelas quais os livros YA também são bons para adultos). E não é por acaso, existem histórias muito boas neste género de literatura.

Contudo, como em todos os géneros, este tem clichés particularmente irritantes. Às vezes, parece que existem imensos autores a usar a mesma fórmula nos seus livros. Aqui estão alguns YA clichés que eu odeio.


1. Triângulos amorosos: Isto geralmente acontece em triologias ou em sagas. A personagem principal apaixona-se, no início, por uma pessoas mas, a meio, já se apaixona pela outra, mas ao mesmo tempo ainda gosta da anterior, e aquilo é basicamente uma confusão até ao fim da saga. Em vez de ser responsável e escolher apenas uma pessoa, a personagem principal anda ali a entreter os dois até se decidir.

2. Uma revolução: Abro uma exceção para o " The Hunger Games", a minha triologia favorita. As que se seguiram a esta, parecem todas uma cópia mal feita. Parece que agora, em todas as triologias, tem que existir uma personagem que se revolta contra o governo e sociedade, e inicia uma revolução.

3. Jovens em perigo: Existem sempre jovens em perigo neste género de livros, e os adultos nunca estão. Na verdade, muitas vezes são os adultos a pôr os jovens em perigo.  É mesmo preocupante. Estarão a chamar irresponsáveis aos pais?

4. Uma protagonista tímida: Ok, não me levem a mal. Eu gosto de protagonistas introvertidas e tímidas, até porque é essa a minha personalidade. No entanto, custa-me estar sempre a ver o mesmo tipo de protagonista, que não se encaixa em lado nenhum, tem dificuldades em fazer amigos e que, depois de uma transformação, passa a ser muito popular e fixe. Por uma vez na vida, era bom ver uma personagem principal extrovertida.

5. Uma crush de sonho que acaba por ser um idiota: Em todos os livros YA alguma vez escritos, no início da história, a rapariga tem sempre uma paixão pelo gajo mais popular da escola, o mais bonito e depois, a meio do livro, descobre que ele é um grande palerma, e que afinal o rapaz tímido da última mesa da sala é que é o verdadeiro amor. Em quantos livros é que não vi já o mesmo?

6. Problemas com os pais: Na literatura juvenil, os pais ou estão mortos, ou abandonam os filhos, ou então maltratam-nos. É muito difícil encontrarmos pais normais neste género de livros. Onde é que estão as famílias felizes?

7. A personagem principal descobre sempre que é a escolhida para qualquer coisa: Em todos os livros, a personagem principal descobre que é princesa/príncipe, que tens poderes mágicos que até desconhecia ou que está destinada a derrotar um grande monstro. Até seria um grande plot twist, se nós não tivéssemos a prever isso desde a página 1.


E vocês? Quais são os YA clichés que odeiam?

30 comentários:

  1. Nossa triângulo amoroso acho que todo mundo já deve estar cheio né?
    rsrsrs sempre tem e sempre vai existir.

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderEliminar
  2. Sim a literatura, ainda mais a que é dirigida aos jovens, parece que segue determinados padrões e dali não sai. Muda o elenco, os nomes, os lugares mas as histórias repetem-se e os finais são previsíveis. Não gosto de clichés, gosto de ler aquilo que questiona a maneira de ver o mundo, os outros, aquela literatura que nos perturba os dias e nos ensina qualquer coisa a página.

    ResponderEliminar
  3. Todos esses clichés são levados para as séries e filmes para adolescentes xD Até me fizeste lembrar os morangos com açucar em tooooodas as temporadas sabíamos que ia haver um trio amoroso chato... lembro-me de uma colecção que li na pré-adolescência "profissão adolescente" nem sei em que categoria aquilo se insere mas era grande confusão... tal como referist não há famílias felizes e bons pais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois era, chegou a uma certa temporada que começou a enjoar.
      Não conhecia essa coleção.

      Eliminar
  4. Isso é tudo tão verdade! Eu acho que o que mais me irrita mesmo é o que referiste no ponto 1, no ponto 3 e no ponto 5, esses são aqueles que mal começamos a ler já sabemos que vão estar presentes. Acho que este género de livros está sempre envolto em muito drama, por isso é que são todos "iguais".
    Só uma pequena correção, no título referiste 5 YA clichés, mas na verdade são 7 (não é nada de grave mas achei importante referir xd)
    Beijinhos <3

    MARY WITH LOVE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahah, que distraída que sou. Muito obrigada por me avisares já mudei xD

      Eliminar
  5. Eu gosto muito de livros YA e gosto muito de clichés :P

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou o contrário, não gosto nada de clichés xD.

      Eliminar
  6. Ou a história é muito bem escrita, ou são aspetos que depois começam a cansar. Sobretudo se leres vários livros nesses moldes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu houve uma fase que li muitosvros assim é comecei a apanhar o mesmo molde em quase todos. Poucos foram os que fizeram a diferença.

      Eliminar
  7. Acho que partilho os mesmos "ódios" que tu. E partilho o amor pelo "The Hunger Games". É, muito provavelmente, a minha trilogia preferida. Também gostei da saga Divergente mas foi um bocado mais do mesmo. Estou agora a começar o "The Maze Runner" mas, até ver, não me puxa muito. Veremos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu notei muitas semelhanças entre a saga Divergente e o The Hunter Games, mas ainda assim gostei, abstraí-me desse facto :).

      Eliminar
  8. Os triângulos amorosos
    https://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Concordo plenamente contigo!Também não gosto nada de triângulos amorosos! :)

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  10. A questão é que o tal "cliché" acaba por aborrecer... Porém, já percebi que aprecias muito a leitura, gostas de ler, livros, palavras. Parece-me muito bem. :)

    ResponderEliminar
  11. Menina, nunca tinha ouvido falar isso de YA kkk.

    Mas, realmente, esses clichés irritam... ja deram o que tinha que dar. Também não gosto.

    Beijo !

    | O Blog Que Não é Blog |

    | Julinha e os Vídeos - Canal do Youtube |

    | NeoBux - Aprenda a Fazer Mini Trabalhos e ganhe em Dólar |

    ResponderEliminar
  12. São grandes clichês mesmo, mas acho que tudo depende de como o autor joga o cliche na história
    Beijoooos
    Le Duo

    ResponderEliminar
  13. Em tempos li muitos livros de YA Fiction e o que dizes é completamente verdade. Lembro-me de ler The Hunger Games e assim que saiu, ainda a febre da trilogia estava longe de começar. E adorei. O mesmo aconteceu com Divergente. Mas é como dizes, depois surgiram outros do género, mas as semelhanças eram notórias. Às tantas parece tudo igual e acaba por perder-se o interesse...

    ResponderEliminar
  14. Totalmente de acordo, Cherry!
    Beijinhos grandes.

    O meu novo blogue, "Nephesh": https://nepheshing.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  15. São também coisas que me irritam nos livros YA. Se forem bem utilizados até que funcionam, mas quando dá para o cliché não dá mesmo para suportar..

    ResponderEliminar
  16. Concordo contigo, mas atualmente esses não são os padrões de um YA?
    No entanto acho que são modas e com o tempo aparecerá outra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, são os padrões de muitos YA. É, espero que sim :).

      Eliminar
  17. Não podia concordar mais contigo. Os trângulos amorosos então são do pior..No entanto há um que não mencionaste que me irrita profundamente que é o do rapaz idiota que vira 'milagrosamente' boa pessoa ao conhecer uma rapariga que tem de o salvar. Talvez com o tempo surjam ideias novas, são fases :)

    themerrymarie.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, também não suporto esse! Ainda por cima, esse nunca acontece na realidade. Os rapazes idiotas continuam a ser idiotas, nem que namorem com a rapariga mais santa.

      Eliminar