!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

3.6.16

Porque devemos perdoar sempre as pessoas ( mesmo quando estas não o merecem)


Ao longo da minha curta existência aprendi que devemos perdoar sempre as pessoas. Mesmo quando não sentimos vontade de o fazer.

Eu perdoo as pessoas em duas situações: quando elas merecem ou quando eu mereço. Confusos? Eu explico.

Eu perdoo os outros quando estes, obviamente, se mostram arrependidos de um erro que tenham cometido, quer tenha sido algo que tenham feito ou dito, quer tenha sido algo que me tenha ou não afetado diretamente ( por exemplo, quando ofendem alguém que amo). Esta é a razão lógica que leva a maior parte das pessoas a perdoar as outras.

Mas o que é que acontece quando a pessoa não se mostra arrependida daquilo que fez e, pior, voltaria a fazer o mesmo? Será que perdoaríamos? A resposta que a maior parte de vocês dariam seria não (e isso seria o mínimo que fariam, pois alguns de vocês ainda planeariam uma vingança para dar uma lição a essa pessoa estúpida), Bem, a minha resposta seria sim. Sim, leram bem, eu perdoaria. " Mas porquê cometer tamanha loucura?" pensam vocês. Porque eu mereço ter paz de espírito, sossego e leveza para poder seguir com a minha vida. Não consigo alcançar isto se não perdoar. Ao não perdoar, guardarei rancor dessa pessoa, sentirei raiva, revolta, mágoa e vontade de me vingar. E estes sentimentos não são algo em que eu queira gastar as minhas energias. Ao invés, se perdoar, poderei concentrar todas as minhas energias em coisas mais positivas, em ajudar outras pessoas que realmente queiram ser ajudadas, em ser feliz. Isso sim, são coisas que valem a pena. Isso não quer dizer, obviamente,  que devemos esquecer o que essas pessoas fizeram, muito pelo contrário, devemos lembrarmo-nos sempre para estarmos " de olho" nessa pessoa, mas devemos ser capazes de a perdoar para poder seguir em frente.

Alguns de vocês podem achar estas decisão hipócrita ( e talvez tenham razão), mas eu acho que perdoar alguém, mesmo que não mereça ser perdoado, é tão digno como perdoar alguém que o merece.  Se a outra pessoa não procura a libertação, sou eu que a procuro.


Qual a vossa opinião? Perdoariam as pessoas mesmo que estas não o merecessem?

25 comentários:

  1. Eu nunca jamais perdoaria uma pessoa que me magoasse imenso. Como o meu ex-namorado, que nunca o perdoei por todas as idiotices que ele me fez para arranjar confusão e ciúmes da minha parte, e como tal, nem somos amigos nem falamos. Uma vez disseram para eu ao menos ter compaixão, e perdoar a ele e à sua mãe, e a resposta que dei foi: "Prefiro perdoar o diabo, que essas duas pessoas" Posso ter sido bruta, mas acho que cada um tem o que merece. O que ele me fez não se faz a nenhuma mulher.

    Beijos
    A Maçã Da Mafalda
    http://amacadamafalda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo que o teu ex-namorado te tenha magoado imenso, mas até que ponto ao não o perdoares conseguirás seguir em frente? Será que é essa a atitude mais correta? Por vezes, não é preciso compreender as atitudes do outro para o perdoar, basta perdoá-lo por ser uma pessoa demasiado fraca para se esforçar numa relação, mas perdoar não significa que tenhas que continuar a namorar com ele, às vezes significa apenas que aceitas aquilo que aconteceu e, por muito mau que tenha sido, podes retirar uma lição disso. Nem que a lição seja ter mais cuidado com as pessoas com quem te envolves.

      Eliminar
    2. Não sei se expliquei bem o meu ponto de vista.

      Eliminar
    3. Eu consigo seguir em frente sem precisar de voltar atrás e perdoar. Seria um erro perdoar alguém que magoou imenso muito na minha vida. Por isso estou feliz assim. Além disso quem devia perdoar era ele, pelos erros que me fez, e não eu.

      Eliminar
    4. Bem, se achas que é essa a decisão mais acertada, o que interessa é que estejas feliz :).

      Eliminar
  2. Acho que sim que devemos perdoar uma, duas vezes e às vezes até 3 ... Mas uma coisa é perdoar outra é esquecer e isso acho que já não conseguiria confiar nessa pessoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, uma coisa é perdoar outra é esquecer. Acho que devemos perdoar sempre, mas sem nunca esquecer aquilo que nos fizeram. E perdoar não significa que tenhamos de confiar nessa pessoa novamente, muitas vezes perdoar não é algo que fazemos pelos outros, é algo que fazemos por nós próprios.

      Eliminar
  3. Não é por acaso que se diz "forgive and forget". Neste caso o "esquecer" não devemos pois daí surgiu uma lição de vida. Mas sim, eu guardava rancor e de há dois anos para cá aprendi a perdoar (até mesmo a mim própria) porque senão eu (é que) não me sentia bem. A cabeça quando "bloqueia" nessas más energias impede de nos sentirmos bem connosco próprios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu acho que devemos perdoar sempre, mas nunca nos devemos esquecer, é uma lição de vida como tu dizes. Não poderia concordar mais contigo. Guardar rancor tira-nos as energias todas e não deixa espaço para sermos felizes.

      Eliminar
  4. Eu acho que é importante perdoar, até para nosso próprio bem, mas há coisas que não se esquecem. Eu acho que perdoar não é esquecer, mas sim saber que aconteceu mas conseguir viver com isso. No entanto, perdoar alguém que não mostra o minimo arrependimento é difícil e nem sempre consigo. Mas acho essa uma atitude muito boa, guardar ressentimentos só nos faz mal.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, concordo contigo, nunca nos devemos esquecer do que nos fizeram.
      Por vezes perdoar alguém que não o merece é um processo difícil e é algo que demorei muito tempo a conseguir, mas quando se consegue é uma sensação muito libertadora.

      Eliminar
  5. Isso é um tanto ou quanto depentende das pessoas... Eu, por exemplo, não digo que perdoo a cem porcento alguém que me fez mal, mas o que acaba por acontecer é que as coisas vão passando. O perdoar não é algo que vem repentino, algo que dizemos "okay estás perdoado!"... Eu penso que o processo de perdoar vem, também, com a chegada da paz de espírito. É como dizes, não devemos esquecer pois foram tais atitudes que nos ajudarão a crescer e a ver o mundo de outra maneira, mas não concordo de todo que devamos perdoar com o mesmo peso as pessoas de quem gostamos e as pessoas de quem não gostamos.
    Não sei se me estou a fazer entender (lá vou eu entrar em modo reflexão) mas perdoar é também uma coisa que se aprende a fazer. É ter noção daquela paz que merecemos para nós mesmos, sem permitir que o mal volte a acontecer. Não és tu que estás a ser hipócrita ao quereres perdoar, mas sim as pessoas que perdoam uma vida inteira e que deixam o mesmo mal acontecer vezes e vezes sem conta. É devido à falta de coragem de aguentarem as consequências de fazerem frente à situação? Talvez, mas isso nunca será suficiente para justificar.
    Passados estes anos todos, e nunca deixando para trás as coisas que já passei, apercebi-me de que todas as coisas e pessoas que já me prejudicaram estão perdoadas da minha parte, e isso não aconteceu porque eu quis... Isso sucedeu-se a partir do momento em que eu refleti acerca de alguns momentos e dei-me conta da leveza que, mesmo assim, não me abandonou...
    Em suma, sou da opinião que perdoar algo ou alguém é um ato inconsciente que responde por nós e que fica subordinado às necessidades de que não damos conta no momento em que perdoamos. Tanto que, no meu caso, eu não me coloco a pensar na possibilidade de perdoar alguém, só me apercebendo disso quando estou frente a frente com a pessoa e não me sinto zangada ou outra coisa qualquer.

    A Vida de Lyne

    (Agora sim já me calei eheheh) ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo teu comentário, adoro sempre as tuas reflexões :).
      Agora fizeste-me pensar em algo que ainda não tinha pensado. De facto, perdoar não é algo repentino, é algo que vai surgindo com o tempo. Pensando na minha vida, eu quase nunca me virei para uma pessoa e disse " Tu foste uma grande cabra e fizeste-me a vida difícil, mas eu perdoo-te". Foi sempre um processo gradual.
      Eu acho que uma coisa é perdoar e outra coisa é deixar que nos façam o mesmo outra vez. Acho que uma coisa não implica a outra. Eu posso perdoar uma pessoa, mas certamente estarei mais "de olho nela" e não deixarei que ela me faça o mesmo outra vez.
      Concordo e sou igual a ti em quase tudo o que disseste no teu comentário à exceção de uma coisa: eu só consigo obter esse estado de leveza se perdoar a pessoa em questão. Eu não vejo a leveza como a causa de eu perdoar, mas sim como a consequência. Perdoar a pessoa pode ser um processo gradual, mas eu só vou sentir paz de espírito quando conseguir finalizar esse processo.

      Ahahah, eu gosto sempre de ler as tuas reflexões, li tudo até ao fim com todo o gosto, não me aborreceste não te preocupes :).

      Eliminar
  6. Percebo perfeitamente a tua forma de pensar, a verdade é que guardar rancor de alguém não faz bem nenhum. Mas acontece muitas vezes eu perdoar, mas não esquecer, o que acaba por também ser mau.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas como ja disseram aqui anteriormente existem coisas que não têm perdão, nós seguimos em frente, aprendemos a viver com isso, mas não perdoamos.

      Eliminar
    2. Eu até agora perdoei todas as pessoas que me fizeram mal na minha vida, não consegui seguir em frente sem deixar uma sem perdão, e acredita que já houve pessoas que me fizeram coisas terríveis.

      Eliminar
  7. (Eu juro... Estava a meio de um comentário enorme e todo inspirado, mas carreguei num atalho sem querer e ele desapareceu :( Mas vou tentar novamente a ideia geral.) Eu não perdoo sempre, nem acho que isso seja bom para mim. Mas também não fico ali a remoer nas coisas e a planear uma vingança gigante (até o podia fazer, seria algo que me daria um gozo brutal e iria-me divertir imenso muahahah!) Se a pessoa não se mostra arrependida, não perdoo, mas a minha vida continua, normalmente. Apenas risco a pessoa da minha lista e pronto. Feito. Consigo viver perfeitamente bem e em paz ao não perdoar alguém que não merece. Se não perdoasse alguém que merece é que não iria conseguir dormir :) Mas sim, compreendo o que queres dizer, se ao não perdoar estivermos a fazer mal a nós mesmos, o melhor mesmo é perdoar e seguir em frente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai... Já me aconteceu isso, eu compreendo-te, é tão frustrante escrever algo enorme e eliminar tudo sem querer. Mas deixa lá, o que interessa é partilhares a ideia geral :).
      Compreendo perfeitamente o teu ponto de vista, acho que são maneiras de estar e de viver diferentes, eu não consigo seguir em frente sem perdoar, mas se tu consegues, o que interessa é seres feliz :).
      Eu tenho como um lema de vida que às vezes perdoamos o outro, não porque essa pessoa merece, mas porque nós merecemos.

      Eliminar
    2. Mas sim, às vezes também me dava assim um gozo fenomenal fazer uma vingança dessas xD. Mas resisto sempre.

      Eliminar
  8. não vale a pena fazer o errado para se sentir bem,quem faz o mal deve ser punido e não perdoado e escapar da punição

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que muitas vezes não podemos ser nós a encarregarmo-nos da punição, porque acabaríamos por nos magoar nós. Temos que perdoar nós e deixar que a vida se encarregue disso.

      Eliminar
    2. é possível que exista situações que a vitima não consiga punir quem a fez mal,mas esses casos são a minoria,na maioria das vezes a vitima tem o poder de punir

      deixar que outro se vingue por nós é um erro,por que nós deveriamos deixar que outra pessoas que não sofreu o que a gente sofreu escolha qual punição quem nós fez mal vai receber?

      Eliminar
    3. Olha que esses casos não são poucos, não são a minoria. Imagina o caso de um professor universitário que te desce a nota injustamente numa frequência, não podes fazer nada a não ser estudar mais para o recurso. Ou o chefe que te explora. Não há vingança possível nesses casos. A única vingança possível é seres feliz e seres bom na vida. E acredita, a felicidade é a melhor vingança, faz inveja a muita gente.
      Nos casos em que até nos podemos vingar, setá que vale mesmo a pena? Acho que não, acho que não vale a pena descer ao nível da pessoa que nos magoou, mais vale perdoar a estupidez delas, seguir em frente e provar que somos superiores ao mal que nos fizeram. É assim que tenho feito e muita gente que me fez mal já aprendeu a lição assim :)

      Eliminar
    4. vingança é causar tristeza a quem nós faz sofrer,só isso e nada mais.
      Causar injveja é bem complicado,para se causar inveja,você teria que ter algo que a outra pessoa desejar ter,mas não tem e seria quase impossível encontrar evidências que essa pessoa te inveja,pois ela dificilmente falaria sobre isso

      eu não preocupo em descer o nível de quem me magoou,depois de me vingar,eu volto a ser superior,o que não vela a pena é deixar uma injustiça inpune,só para ser superior

      Eliminar
    5. Não é assim tão difícil encontrar evidências de inveja da pessoa, porque normalmente as pessoas que nos fazem mal são inseguras e têm inveja da nossa vida, e deitam-nos abaixo para poderem ser elas as melhores.
      Eu acho que a transição de vingança para o retorno à normalidade não é assim tão fácil, depois de te vingares uma vez, vais te querer vingar sempre de todas as pessoas que te fazem sofrer, e vais andar num ciclo vicioso... Mas é só a minha opinião.

      Eliminar