!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

4.1.16

Testes à americana.


O meu pai costuma chamar aos testes só de escolhas múltiplas "testes à americana" que, traduzindo a linguagem do meu pai, significa testes de  treta, que até pessoas que não estudaram passam. E, de facto, estes testes são conhecidos como testes americanos.

Na universidade, as frequências são todas por escolhas múltiplas. Mas desengane-se quem acha que este estas frequências ajudam os alunos a passar: estas frequências também são a descontar. Isto quer dizer que, se erramos X número de perguntas, X perguntas que acertamos passam a erradas. Deduzo que isto deva ser para evitar que certas pessoas que não tenham estudado se ponham a fazer tudo à sorte e acertem quase tudo.

Mas vamos lá ao motivo pelo qual eu escrevi este post: este modelo de testes na universidade diminui as competências dos alunos.  Isto porque como, no fundo, a resposta já lá no teste, algures numa opção,  os alunos não são obrigados a fazer um raciocínio tão elaborado para chegar à resposta correta.  Claro que é preciso saber muito bem a matéria, porque muitas escolhas múltiplas tem opções de resposta muito parecidas, e só um aluno que saiba bem a matéria é que consegue escolher a certa- Mas ainda assim não é preciso saber tão bem a matéria como seria preciso se as perguntas fossem de desenvolvimento. Com o passar do tempo, se a maioria das frequências seguirem este modelo, estes alunos irão perder a capacidade de espírito crítico e de pensar para além dos  conceitos.

Além disto, os alunos universitários que só tem frequências por escolhas múltiplas ( como eu) poderão "esquecer" um pouco o Português é a sua gramática,  e a começar a escrever mal e a cometer erros ortográficos.

Muitos professores da minha faculdade afirmam que muitos alunos chegam ao último ano de curso e quase que já nem sabem escrever, por causa deste modelo de testes. Quando vão para estágio, muitos alunos cometem erros ortográficos vergonhosos nos seus relatórios de estágio.

Em principio não me acontecerá o mesmo a mim, pois eu escrevo quase todos os dias no meu blog. Mas muitos estudantes chegam à universidade e perdem o hábito de escrever. Não estou a dizer  para porem agora as frequências só com perguntas de desenvolvimento  ( porque se já com frequências com escolhas múltiplas muita gente reprova, com de desenvolvimento ninguém acabava o curso), mas talvez se nos pusessem a fazer mais  trabalhos escritos sem ser um por semestre, talvez muitos alunos conseguissem continuar a melhorar a escrita ( além que trabalhos escritos nos ajudariam a subir as notas ).

Qual a vossa opinião sobre este modelo de testes?

22 comentários:

  1. Bem-vinda à UMinho. Vais detestar esses testes! xD

    ResponderEliminar
  2. Os meus testes não são todos por escolha múltipla. Já tive imensos apenas com escolha múltipla, mas não é regra geral de Universidade fazer testes só com escolha múltipla. A maior parte das minhas avaliações têm as repartições típicas: escolha múltipla, V/F (para justificar as falsas e com desconto) e as perguntas de resposta aberta. Raramente saem deste leque.

    Mas não se queixem dos testes com escolha múltipla a descontar! Eu já tive testes de escolha múltipla selectiva, passo a explicar: 30 perguntas de escolha múltipla (a descontar) em que 5 delas ao calhas estão marcadas como selectivas: significa que se erras uma dessas cinco, mesmo que o resto esteja tudo certo, estás automaticamente chumbada.

    Depois de ter feito duas avaliações assim nunca mais tive a ousadia de me queixar de métodos de avaliação. E vocês também não teriam x)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até agora os meus têm sido todos por escolha múltipla.
      Ai meu Deus, esses testes são horríveis. Já não me queixo mais os meus xD. Isso não é lá muito justo: quer dizer, tu podes ter o exame todo certo, mas se errar em 5 dessas seletivas, chumbas? Isso é horrível!

      Realmente, depois de me contares esse método, já não tenho a ousadia de me queixar das minhas avaliações xD.

      Eliminar
  3. Eu nunca fiz frequências/exames apenas com escolha múltipla e conheço muita gente que também não fez/faz (incluindo alunos da U.Minho) por isso parece-me errado dizer que "Na universidade, as frequências são todas por escolhas múltiplas." como dizes no segundo parágrafo.
    Normalmente os meus exames/frequências têm apenas perguntas de desenvolvimento (que também podem ser bastante traiçoeiras porque raramente consegues dizer tudo o que é para dizer e a avaliação é muito subjectiva na maior parte dos casos).
    No entanto, há vários professores que optam pela diversidade de perguntas porque esse modelo não encaixa com a matéria ou a própria cadeira. E, nesse sentido, preparam frequências com diferentes repartições (V/F com justificações, escolha múltipla, tabelas para preencher, perguntas de resposta curta ou de desenvolvimento, análise de gráficos e de planos de ação, casos práticos...). Nunca sei o que esperar, para ser sincera, e penso que nunca fiz duas frequências do mesmo modelo. Contudo, uma coisa é certa: que me lembre - e posso estar enganada, atenção! - nunca fiz uma frequência exclusivamente com escolha múltipla. Tenho sempre, pelo menos, uma pergunta diferente :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu quis dizer, na maior parte das universidades ( ou vá, pelo menos daquelas que eu ouvi falar).
      Até agora, o modelo das minhas frequências não tem variado. Mas por acaso ontem fiz uma frequência em que tinha perguntas de desenvolvimento, mas como era Sociologia era de esperar, era estranho fazer essa cadeira só por escolhas múltiplas ( e nem era justo).
      Mas ainda não tive frequências com verdadeiros e falsos, nem tabelas,...

      Eliminar
  4. Eu acho que isso depende imenso do tipo de matéria ou então da vontade e gosto de professor. Há matérias e questões que, a meu ver, é impraticável serem avaliadas através deste método. No meu curso tive de tudo: V/F, escolha múltipla a descontar e sem descontar e resposta aberta, tabelas, etc. E só numa cadeira é que achei ridículo e redutor o professor optar pela escolha múltipla para avaliação, porque simplesmente não encaixava, não ia avaliar de uma forma verdadeira. Nunca tive um exame só de escolha múltipla.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, certamente que com o avançar do meu curso vou ter outros géneros de frequências... Mas para já tem sido assim...

      Eliminar
  5. odeio escolhas múltiplas e os meus testes são todos assim :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não odeio, depende das frequências, se as frequências não forem a descontar por mim na boa. Só não concordo muito com este género de testes por causa daquilo que já referi no post.

      Eliminar
  6. Os meus testes também são quase todos de escolha múltipla, mas temos algumas cadeiras que envolvem raciocínio crítico. Alem disso, na ESEP fazemos montes de trabalhos escritos, alguns bem complexos xD é giro ver uma diferença tao grande no mesmo curso em instituições diferentes xD
    Beijinhos, Noelle

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, é engraçado como os mesmos cursos variam de instituição para instituição. Às vezes , até algumas cadeiras ( as mais "insignificantes" vá) variam de instituição para instituição.

      Eliminar
  7. Algumas das frequências que fiz tinham algumas escolhas múltiplas e descontavam se errássemos, mas, acredito que mesmo assim existem várias pessoas que colocam na mesma uma opção ao calhas. Sinceramente, nunca gostei de escolhas múltiplas ou de verdadeiros e falso, para mim, é como não avaliassem aquilo que estudamos :o

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mal destes testes é mesmo esses, uma pessoa que não tenha estudado pode por metade das coisas ao calhas e ter a sorte de acertar.

      Eliminar
  8. Eu sempre tive testes à Americana e os tradicionais! Se uma pessoa estiver bem preparada qualquer um será fácil, se bem que por norma, os à americana são mais rápidos de responder!
    beijinhos
    http://direitoporlinhastortas-id.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá isso é verdade, estudando uma pessoa está sempre preparada para tudo, mas não são lá muito justos este género de testes... Mas que são mais rápidos de responder são, uma pessoa arruma logo o assunto.

      Eliminar
  9. Concordo tanto! Felizmente não passei pelo mesmo - nem sequer tinha testes/frequências, só trabalhos finais, ensaios de várias páginas. Nas raras ocasiões em que tive testes, tinham duas ou três perguntas, cada uma a exigir respostas de no mínimo uma página. E adorava.

    Perdida em Combate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em que curso estás ? Eu acho que já me disseste, mas eu agora não me lembro...

      Eliminar
  10. Eu não tenho muitos testes desses. Tenho é Verdadeiros e Falsos a descontar também. Mas temos que dar todas as justificações.

    ResponderEliminar
  11. Na minha fac por acaso não é a descontar, mas metem imensas opções que têm a diferença duma décima da certa, e milhões de rasteiras... só as cadeiras de matemática é que são por escrito e eu gosto mais de fazer esse tipo de testes, mas por outro lado com os de escolha múltipla não temos de nos preocupar com demonstrar todas as contas etc.... acho que tens os seus prós e contras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens sorte, ser a descontar é horrível :).
      Lá isso é verdade, tem os seus prós e contras...

      Eliminar