!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

16.5.16

Porque devemos passar menos tempo a falar das outras pessoas


Uma vez li num manual meu de Inglês do 10º ano o seguinte pensamento: " Great minds discuss ideas. Average minds discuss events. Small minds discuss people" ( Tradução para português: " Mentes brilhantes discutem ideias. Mentes medianas discutem eventos. Mentes pequenas discutem pessoas"). Adoro este pensamento, é mesmo verdade!

No outra dia estava a falar com uma pessoa e disse-lhe que quase nunca falo com os meus amigos sobre outras pessoas. Essa pessoa olhou para mim bastante chocada e perguntou-me " Se não falas sobre as outras pessoas, falas sobre quê então? A base de todas as conversas é falar sobre outras pessoas." Quem ficou muito chocada a seguir fui eu. Apeteceu-me dizer-lhe " Então e falar sobre a tua vida em vez da dos outros, nunca te ocorreu?". Em vez disso, expliquei-lhe calmamente que falo com os meus amigos sobre as notícias da atualidade ( como política, eventos ou problemas que a nossa sociedade enfrenta), falo sobre livros, séries/filmes, viagens que fiz e as gostava de fazer, coisas que comprei ou gostava de comprar, sobre a faculdade e os estudos,... Há tantos temas de conversa para abordar que não envolvem necessariamente pessoas. Não é assim tão difícil não falar em pessoas!

A maior parte das pessoa, principalmente as portuguesas, têm tendência em estar sempre a falar da vida dos outros ( como já falei aqui), a serem coscuvilheiras ( desculpem o termo, mas é mesmo assim). Adoram falar sobre o que a mulher do lado tem vestido, do carro dos vizinhos, do quão feia é a nova colega de trabalho.... Há sempre algo a falar sobre os outros.

Confesso que, das poucas vezes que falo sobre pessoas, é para falar de pessoas famosas. Tenho muito o hábito de ver " Keeping up with the Kardashians", por isso gosto muito de comentar a vida delas. Também gosto muito de acompanhar e comentar a vida da Família Real Britânica. Sei que é mau na mesma porque, apesar de serem pessoas famosas, são seres humanos à mesma e, como tal, também não merecem ser vítimas de coscuvilhices.

Foi através desta minha tendência a comentar a vida das celebridades, que percebi porque é que a maior parte de nós gosta de falar sobre a vida alheia. Falar sobre a vida alheia é bastante fácil. Não precisamos de ter cultura geral ou sermos bem informados (nem sequer precisamos de ser bem informados sobre os desenvolvimentos da vida da pessoa em questão, podemos observar e tirar conclusões precipitadas sobre a vida dela, do tipo " a saia da mulher é feia, deve ser pobre"). Não precisamos de ser justos. Não precisamos de perdoar ou deixar de perdoar. Não precisamos de desenvolver um raciocínio lógico, de pensar em argumentos válidos nem precisamos de dar evidências daquilo que estamos a dizer. Podemos falar sobre o que quisermos sobre essa pessoa, sem pensar muito. É muito fácil cair neste vício.

No entanto, discutir ideias é mais difícil. Independentemente de estarmos a discutir uma série, um livro,um assunto político ou até uma ideia para um trabalho da faculdade, é preciso estar minimamente informado sobre esse mesmo tema. Temos que usar argumentos para dizer, por exemplo, porque é que gostamos mais de um filme do que o outro. Temos que ouvir mais atentamente a opinião dos outros. A seguir, temos de refletir sobre o que ouvimos. Quando estamos a falar sobre a vida dos outros, não há grandes reflexões a fazer, existem apenas as nossas conclusões, muitas vezes precipitadas.

Existem assuntos muito mais importantes para debater do que especular se a nossa colega tem namorado ou não, ou se a nossa vizinha foi despedida do trabalho. Discutir ideias é o mais importante. É aquilo que nos expõe a novas ideias ( quem sabe grandes ideias), aquilo que promove a mudança, e que pode até fazer diferença neste mundo. Mesmo que não façam diferença no mundo, fazem-nos crescer e desenvolvermo-nos enquanto pessoas.  E acho que isso é o que realmente importa.


Passam muito tempo a falar sobre outras pessoas? Acham que deveriam falar menos sobre a vida alheia? Qual é a vossa opinião?

6 comentários:

  1. Sinceramente não sei se falo muito ou não mas prefiro falar de séries e temas mais atuais do que estar sempre a coscuvilhar.
    Beijos
    Cantinho da tequis
    Facebook Cantinho da tequis

    ResponderEliminar
  2. Olá Cherry!
    Seus textos sempre me levam à reflexão! Realmente concordo com vc, as pessoas estão sempre a fazer intrigas ou fofocas sobre outros! Sei que não sou perfeita, mas procuro ao máximo não ficar falando dos outros!
    Bjus
    Fabi
    Para todas as estações

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, muito obrigada :). Eu também procuro não fofocar o máximo possível.

      Eliminar
  3. Não penso que falar dos outros, no sentido genérico, seja necessariamente mau. O que é mau é falar sobre coisas que não sabemos e tirarmos conclusões precipitadas, como disseste. Compreendo o que queres dizer, coscuvilhice é terrível e falarmos sem conhecimento de causa é, para mim, uma das piores coisas que podemos fazer. Para além de que é uma completa perda de tempo.

    Mas eu gosto de ver o outro lado, porque falar de alguém também pode ser bom, e servir de inspiração. Eu gosto de falar sobre pessoas. Sobre o outro lado, as coisas fantásticas que fizeram, e como estão a ajudar a tornar este mundo um sítio melhor. E quando se discutem ideias, ou política, ou até mesmo séries, temos invariavelmente de falar sobre pessoas. Sobre as mentes brilhantes, sobre os inventores, sobre os discursos e força de carácter, sobre a qualidade dos actores...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu quando escrevi este post quis referir-me de falar de pessoas mais no sentido de fofocar, embora ache que seja mesmo possível não falar de pessoas. Obviamente que embora não falemos de pessoas diretamente, acabamos sempre por falar, como nos exemplos que deste, mas já por isso eu pus o título deste post "... passar menos tempo a falar de pessoas" :).

      Eliminar