!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

sábado, 17 de junho de 2017

7 coisas que deviam mudar nos lares de idosos


Sendo eu aluna do 2 º ano de Enfermagem, já tive oportunidade de estagiar em muitos sítios e de, portanto, ver muitas realidades diferentes. Já estagiei em sítios que adorei, outros que gostei, outros que não gostei muito e outros que odiei, mas todos eles contribuíram imenso para a minha aprendizagem ( quanto mais não seja aquilo que não quero ser enquanto futura enfermeira).

Este ano, um dos sítios em que estagiei foi em lares de idosos. E, apesar de ter gostado, houve algumas coisas que me chocaram. Fiquei chocada por ver as condições de alguns lares de idosos. Não vou dizer quais, para respeitar a privacidade das respetivas instituições, mas custou-me imenso ver algumas coisas que vi.  Eu sei que não é assim em todos os lares porque, antes de estagiar, já tive oportunidade de visitar alguns lares de idosos. Porém, deviam existir condições mínimas em todos os estabelecimentos deste género, e não só naqueles que são " para os ricos".

Não estou a fazer este post para criticar. Aliás, respeito imenso o trabalho que os profissionais lá fazem, e quero realçar que isto não é uma crítica para eles. Isto é um post para sensibilizar as pessoas sobre as condições em que vivem alguns idosos e para que, talvez, alguém com mais poder leia isto e faça algo. A minha orientadora de estágio diz que somos o futuro da profissão, por isso é o nosso papel sermos a onda da mudança, incentivar a mudança, nem que os resultados que consigamos com isso sejam pequenos ( mas pequenos passos acabam por contribuir para algo maior). Por isso, esta é a minha parte nessa onda da mudança.


1. Estabelecimentos com condições melhores: Num dos sítios que estagiei, as condições eram, sinceramente, horríveis! O estabelecimento não fora, inicialmente, feito para aquele propósito, o que explica a ausência de certas divisões. Os quartos eram demasiado pequenos para o número de doentes que tinha ( chegavam a ter 4 doentes num quarto bastante estreitinho em que, para fazermos as camas, tínhamos que nos encostar às paredes). Não existia ar condicionado, o que é algo grave ( estagiei lá em dias de muito calor, e foi mesmo terrível, o ar estava abafado, imagino que para os idosos, alguns mais dependentes, tenha sido muito mau). Eu sei que o financiamento e os recursos de algumas instituições não é muito mas, fogo, o Estado ou as câmaras municipais ( ou lá quem trata disso) não podiam parar de gastar tanto dinheiro em coisas fúteis como festas e cerimónias formais, e dar mais algum dinheiro a estas instituições?

2. Mais auxiliares: Se há coisa que me enerva em Portugal é que há tanta gente no desemprego, enquanto outras estão a fazer o trabalho de duas ou três pessoas porque as entidades superiores se recusam a gastar mais dinheiro em contratar pessoal. Num lar de idosos onde estagiei, existiam 3 enfermeiros para 20 doentes. Cada uma ficava com x doentes, e faziam tudo sozinhas, desde dar banhos no leito, posicionar e transferir ( é de realçar que alguns idosos pesavam mais de 90 kg). Muita força tinham que ter aquelas mulheres! Não consigo imaginar o alívio que elas devem sentir de cada vez que vão para lá estagiários dar uma ajuda extra.

3. Um enfermeiro disponível 8 horas por dia: Eu sei que em alguns sítios isto já acontece mas, na maior parte dos lares, os enfermeiros só vão de 2 ou de 3 em 3 dias, e estão lá apenas 2 horas. Ora, muitos idosos exigem cuidados e atenção permanente dos enfermeiros, porque têm feridas, sondas nasogástricas, entre outras coisas, que é da competência dos enfermeiros tratar. No entanto, as auxiliares lá têm que se desenrascar e fazer o melhor que podem. Não peço para estar lá um enfermeiro permanente ( porque tal também era demasiado, não era preciso tanto) mas, pelo menos, durante o dia, que é quando os doentes estão acordados e têm mais necessidades.

4. Mais luvas e desinfetantes: Fez-me uma impressão tremenda ver que, em certos lares de idosos, se reutilizavam luvas de doente para doente, e até de quarto para quarto. Mais impressão ainda me fez ver que não se encontrava um desinfetante ou sabão nas casas de banho. Isto é um enorme risco, não só para os próprios profissionais, mas sobretudo para os utentes, que são muitos suscetíveis a infeções. Compreendo que queiram poupar dinheiro em material, mas há coisas onde nunca se deve poupar. É que isto nem sequer é poupar, porque depois acabam por gastar muito mais dinheiro em tratamentos e antibióticos para tratar as infeções.

5. Panos em vez de esponjas descartáveis: Esta até me faz doer o coração! Reutilizar panos com que se lavam as pessoas é a pior coisa que se pode fazer para a saúde destas. Não é por acaso que, nos hospitais, quase tudo é descartável, para diminuir as infeções ao máximo. Bem sei que não é culpa de quem lá trabalha, mais uma vez cabia a entidades superiores fazer uma sensibilização sobre os perigos que isto traz para a saúde e disponibilizar mais recursos.

6. Cortinas para privacidade: Há quem desvalorize as cortinas entre as camas. " Cortinas, que mariquice, mesmo manias de enfermeiros." No entanto, este simples objeto é de uma enorme importância na privacidade dos doentes e idosos que residem nestes estabelecimentos. O que é que acontece quando não há cortinas? Acontece que, na hora de dar banhos de leito e trocar fraldas, andam os outros elementos de um mesmo quarto a ver o outro nu. É por isso que as cortinas são muito importante. Quanto mais não seja, um idoso dá-lhe uma de " estou zangado com o vizinho, e não me apetece estar a levar com a cara dele", e fecha a cortina.

7. Mais atividades de entretenimento: Eu sei que já existem muitos lares em que fazem atividades de entretenimento, vão lá voluntários conviver e fazer joguinhos com os idosos, em alguns sítios até vão atores e cantores... Porém, ainda existem muitos lares de idosos onde isso não acontece. Nestas instituições, os idosos passam imensas horas sentados ou deitados, a dormir ou a ver televisão, porque não há absolutamente mais nada para fazer. Que alegria que eles tiveram connosco, alunos,  quando passávamos as horas mortas do nosso estágio a falar e a jogar muitos jogos com eles. Acho que faz imensa falta mais atividades para alegrar e estimular estas pessoas que, em tempos, já foram muito ativas.


E vocês? Já tiveram alguma experiência em lares de idosos? O que acham que devia mudar?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

8 comentários:

  1. Muito sinceramente nunca visitei um lar de idosos mas pelo que se ouve por aí já imaginava que as condições não seriam as melhores. É bom que algumas pessoas, tal como tu,queiram mudar esta realidade.

    http://acasadabrancadeneve.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Concordo com tudo o que disseste!

    Beijinhos,
    Inês
    http://www.indiglitz.pt

    ResponderEliminar
  3. Sim, de facto, não só lares, mas até clínicas e alguns hospitais perdem qualidade pela falta de recursos, humanos ou materiais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu só tenho experiência disto nos lares, no hospital onde estagiei as condições eram excelentes, e raramente existia falta de material ou recursos. Mas, pelo que oiço falar dos meus colegas, existem também alguns hospitais assim, infelizmente.

      Eliminar
  4. Nunca me deparei com as condições (ou falta delas) dos lares de idosos, mas infelizmente não me custa acreditar no que dizes com todas as histórias que se ouvem por aí. Espero que essa situação mude o quanto antes, mas não deve ser nada fácil /:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, infelizmente não é nada fácil mudar estás coisas, existem sempre entidades superiores com outros interesses...

      Eliminar
  5. Nunca visitei um lar de idosos, mas o meu irmão fez estagio um e ele conta historias deploráveis. Mas acho que o pior de tudo é mesmo os familiares não quererem saber mais dos idosos, não digo todos mas grande parte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande parte sim, mas também vejo imensos familiares a visitarem-nos regularmente :).

      Eliminar