!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

1.4.17

O meu 2º estágio hospitalar (em Oncologia)


No dia 7 de fevereiro deste ano, comecei o meu 2º estágio hospitalar, em Oncologia, no Hospital de Braga. Como sabem , esta não é a primeira vez que estagio num hospital. O ano passado, já tinha estagiado num. No entanto, o estágio do 1º ano foi uma brincadeira de crianças comparado com este. Em primeiro lugar, no 1º ano, as únicas coisas que fiz em estágio foram banhos e posicionamentos. Este ano, já fiz muitos mais procedimentos, como preparação de medicamentos, injeções, colheitas de sangues, cateterizações, otimização de cateteres.... Este leque novo de procedimentos elevou, naturalmente, a fasquia, e trouxe uma nova série de dificuldades. 

O estágio do 2º ano já é difícil por si só, mas quando descobri que calhei no serviço de Oncologia, soube logo que isso iria tornar este estágio ainda mais desafiante. Os meus (curtos) 19 anos de vida não prepararam para lidar com tantas mortes e com tanto sofrimento. Porém, foi algo com que tive que lidar. Ao início custou-me bastante (e ainda custa agora), porém ver estas realidades tão extremas e diferentes da minha fez-me crescer e amadurecer a um nível que não seria possível de outra forma. E isso foi uma das muitas coisas que ganhei neste estágio.

O que eu adorei este ano foi o facto de, à exceção de termos apenas 1 doente no início e depois 2 ( em vez dos 8 doentes que um enfermeiro normal tem) foi, aos poucos e poucos, irmos fazendo todos os procedimentos, e irmo-nos tornando autónomos. Chegamos ao ponto de gerir por completo todas as necessidades dos nossos doentes e a organização de um turno, incluindo dar medicação sem supervisão dos orientadores ( só viam se as doses estavam certas antes). Os doentes e familiares destes, por vezes, viam-nos sempre a fazer tudo, que pensavam mesmo que já éramos enfermeiros ( e, acreditem, quando chamam enfermeiro a um estagiário, é sinal que estão a fazer um bom trabalho). Foi, sem dúvida, um aspeto que adorei este ano, o facto de poder experienciar quase em plenitude o que é ser um enfermeiro e o que é trabalhar. 

Apesar de ter sempre indo partilhando aquilo que eu estava a experienciar, acho que a maior parte das pessoas não se chegou a aperceber que o meu estágio não começou da melhor forma. Fiquei umapouco overwhelm com a liberdade imensa que ganhei de repente e com a quantidade de procedimentos novos que tinha que fazer. Além disso, andava extremamente ansiosa nas primeiras semanas, por me sentir muito pressionada com o facto de estar a ser avaliada e de os orientadores estarem sempre a observar todos os meus passos atentamente. Obviamente que este nervosismo prejudicou a minha prestação nas primeiras semanas, tanto que cheguei a pensar desistir a meio do estágio. No entanto, um dia parei para pensar e concluí isto: " deram-me a oportunidade de estagiar num hospital e, este ano, posso fazer todos os procedimentos que até então só fiz em bonecos em aulas práticas, e posso experienciar o que é trabalhar a sério, portanto, para quê desperdiçar esta oportunidade que me pode fazer aprender tanto?" E, a partir daí, do momento em que deixei de pensar que estava a ser avaliada, e vi o estágio como uma oportunidade de aprendizagem, tudo correu melhor, e evoluí a olhos vistos.

Trabalhar no serviço de Oncologia foi um grande desafio para mim. Contudo, cresci imenso, e ganhei ferramentas que me serão muito úteis nos meus futuros ensinos clínicos, no meu futuro profissional, e até na minha vida pessoal. Se eu gostava de trabalhar num serviço de Oncologia? Sinceramente, não, é um serviço com um ambiente demasiado "pesado", com muitas mortes, e onde a maioria dos doentes está em fase terminal. Quero trabalhar num sítio onde as pessoas tenham possibilidades de melhorar, e tenham alta em vez de morrer. No entanto, não posso dizer que odiei estagiar em Oncologia. Foi um serviço que me proporcionou muitas oportunidades de aprendizagem, que me fez crescer, e que me fez olhar para a vida de uma forma diferente. Foi um grande desafio, mas são os desafios que nos fazem aprender as maiores lições. E, independentemente da nota que tiver, para mim, eu ultrapassei este desafio com sucesso.

8 comentários:

  1. Ainda bem que conseguiste dar a volta e continuar! Com certeza foi e vai ser bastante importante para ti no futuro, teres experienciado isso.
    Tenho uma admiração gigante pelos enfermeiros. Uma das minhas melhores amigas é enfermeira e por isso sei que é bastante complicado toda essa fase de estágios, mas força nisso! :D
    Beijinhoos

    Automatic Destiny

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer que sim :).
      Muito obrigada :).

      Eliminar
  2. Deve de ser dos serviços mais complicados de se trabalhar :/ Mas de certeza que foi um passo muito grande que deste na tua formação e só irá melhorar a tua prestação como futura enfermeira que haverá de ser magnifica :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, é, este e Neurocirurgia ( pelo que ouvi falar através dos meus colegas).
      Muito obrigada :).

      Eliminar
  3. Deve ser, de facto, desafiante trabalhar num serviço assim. Sabes que admiro imenso os enfermeiros. Continua sempre com persistência.

    ResponderEliminar
  4. É muito interessante ver o ponto de vista de um enfermeiro/enfermeiro em aprendizagem.

    É uma profissão que sempre me fascinou (tanto que ao longo desta última semana tenho sido a "enfermeira de serviço" do meu melhor amigo que foi operado do joelho: tenho de lhe dar diariamente uma injeção na barriga e esse é, honestamente, o meu ponto alto do dia 😂), mas que por se enquadrar na área das Ciências, descartei logo desde cedo.

    Let me Believe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que sim, que seja o ponto alto do teu dia ahahahah xD. Eu adoro dar injeções.

      Eliminar