!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Ser autêntico é mais importante do que ser original


O medo de não ser original é algo que assombra muitos artistas, como cantores, escritores, pintores, até bloggers. Muitos bloggers, por exemplo, preocupam-se com o facto de as suas ideias não serem originais, serem banais, "muito batidas", que muito provavelmente já foram realizadas por alguém, por isso não vale a pena realizá-las também.

Num mundo em que quase tudo já foi inventado ( ou pensado, no caso de diversas teorias), não sejam ingénuos ao ponto de acreditarem que ninguém teve a mesma ideia que vocês tiveram. Se vos surgiu alguma ideia genial agora, é muito provável que esta já tenha surgido a alguém antes. Esse alguém pode ou não a ter realizado, mas quase de certeza que já pensou no que vocês pensaram.

Portanto, a preocupação excessiva que todas as pessoas têm, hoje em dia, em ser originais, é um bocado inútil. Aprendi isto ao ler o livro " A Grande Magia". Segundo este livro é mais importante ser-se autêntico do que ser original. Aprendi tanto com este livro, e achei este ponto particularmente interessante, por isso achei que merecia um post.

Como a autora referiu e muito bem, Shakespeare cobriu praticamente todos os enredos existentes, como amor, traição e suicídio, mas isso não impediu os escritores dos séculos seguintes de voltarem a explorar esses mesmos enredos.

Não há mal nenhum em repetir os mesmos temas. Aliás, até é algo quase inevitável. Não há mal nenhum em sentirmos os mesmos impulsos que a geração anterior, a geração seguinte muito provavelmente também os vai sentir. Existem perguntas e sentimentos para os quais os seres humanos procuram respostas há anos e ainda não encontraram, por isso é normal nós também sentirmos a mesma necessidade para encontrar essas respostas.

Vocês devem estar  agora a pensar " Esta gaja está a sugerir que nos plagiemos uns aos outros?" Não, não estou a sugerir isso. Até sou contra isso. Apesar de escritores/bloggers de todo o mundo escreverem sobre as mesmas ideias, a maneira como as abordam é totalmente diferente. Cada pessoa tem uma visão muito própria e pessoal das coisas, e é isso que torna uma obra tão especial. Escrever sobre os mesmos temas não é plagiar desde que explicitemos a nossa própria visão.

Tal como a autora deste livro, Elizabeth Gilbert, à medida que vou crescendo, a originalidade comove-me cada vez menos. Hoje em dia, a autenticidade comove-me muito mais. Ao tentarmos ser originais poderemos criar algo demasiado forçado. Porém, se formos autênticos e genuínos em tudo aquilo que criamos, já seremos originais, porque o que quer que seja que tenhamos criado, terá a nossa marca, a nossa personalidade, personalidade esta que é única e que mais ninguém neste mundo tem.

A verdadeira essência da criatividade é colocar um pouco de nós em tudo aquilo que criamos.
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

13 comentários:

  1. Concordo plenamente quando referes que devemos ser fiéis a nós próprios. A ideia pode ter sido realizada por outra pessoa antes - os temas abordados são um bom exemplo - mas há sempre forma de a colocar em prática doutra forma se a nossa personalidade e experiência estiver associada a ela. Mas é importante deixar algumas ideias de parte também - quando há a possibilidade de plágio, esse valor fala mais alto. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já tive que deixar de escrever alguns posts porque simplesmente não conseguia evitar o plágio, por mais que colocasse lá a minha experiência, talvez por ter algumas experiências semelhantes com outras blogs, ou então achar que um post de outra pessoa já disse tudo o que eu tinha a dizer sobre determinado assunto.
      Mas a maior parte das vezes consigo abordar temas que já foram abordados e dar o meu toque pessoal, escrevê-los segundo a minha visão pessoal das coisas :).

      Eliminar
  2. Conheci hoje o blog e adorei :)
    Segui, beijinhos
    www.prettyinpinkmc.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Parabéns! Adorei o post. Acho que nunca tinha pensado que a ideia que eu tive, outra pessoa a pode ter tido, mas é verdade. Tens muita razão. Beijo :)

    http://mariana-a-desorientada.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Não conheço o livro, muito menos a autora mas estou totalmente de acordo com o que é dito!

    Beijinhos, Hellen
    http://instantesimprovaveis.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a mesma autora do livro " Comer, Orar, Amar". Tens que ler o livro " A Grande Magia", é mesmo um livro mágico, tem conselhos mesmo bons!

      Eliminar
  5. É importante que tudo o que fazemos tenha presente um pouco de nós!
    Beijinhos :)
    http://those-colorful-words.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Acho que o mais importante é sermos fiéis a nós próprios. Se o fizermos, a autenticidade vem naturalmente.

    ResponderEliminar
  7. Estou aqui a colocar as tuas publicações em dia e a babar-me cada vez mais que me aproximo da mais recente. Muitos parabéns Cherry, andas a evoluir bastante e isso é tão, mas tão notório, que se torna impossível não reparar nisso! A sério, continua assim!

    Estando na área em que estou, e parecendo muito repetitiva, mas é a única realidade em que estamos, compreendo bem o que dizes. Uma das maiores provas de fogo é estares dentro duma turma de Artes e conseguires, no meio de vinte e tal pessoas, ou quase trinta, criar algo completamente dos teus colegas e dos artistas pelo mundo inteiro, novos ou antigos, mesmo que a temática seja a mesma! Felizmente, mesmo lendo, vendo e escutando resultados artísticos semelhantes, tal como afirmas, é a autenticidade desse mesmo resultado que destaca o dono daquele trabalho. Um pintor ou arquiteto podem fazer uso da mesma linha para o seu trabalho, das mesmas cores para distinguirem os seus desenhos, ter como base a mesma corrente artística, mas os resultados nunca são os mesmos... Podem pertencer ao mesmo saco de farinha, mas a sua luminosidade é diferente em todos os aspetos... E o mesmo se sucede na blogosfera. Quantas e quantas pessoas já não abordaram o mesmo tema, já não participaram da mesma rubrica, mas mesmo assim, produzindo conteúdos completamente distintos? É tudo uma questão de pesquisa, prática, equilíbrio e vontade de chegar a um lugar. Enquanto mantivermos a nossa marca no nosso trabalho, enquanto nos mantivermos fiéis naquilo em que confiamos e defendemos, toda a nossa arte se distinguirá dos demais!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh obrigada linda <3. Os teus comentários deixam-me sempre sem palavras!
      Realmente, na tua área é que deves reparar muito nesta questão. Exatamente, a partir das mesmas correntes artísticas, um determinado artista pode criar algo completamente diferente e original, se for fiel a si próprio. E acho que é essa a verdadeira magia da arte, estarmos constantemente a reinventar tudo aquilo que já existe.
      Também noto isso na blogosfera. Há, por exemplo, tantas bloggers a fazer a rubrica dos favoritos ( eu incluída!) e, no entanto, todas essas rubricas são diferentes, porque têm a marca da personalidade da blogger em questão, a sua escrita, a maneira como aborda as coisas, a sua visão do mundo.

      Eliminar