!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Como o livro " A Grande Magia" mudou a minha vida


Este ano estou a ter muita sorte com os livros que leio. Tenho lido livros incrivelmente inspiradores! Depois de ler lido " A Rapariga no Comboio" , decidi pegar num livro que há muito tinha curiosidade de ler: " A Grande Magia", de Elizabeth Gilbert, a mesma autora do livro " Comer, Orar, Amar" ( um livro que nunca li, mas que fiquei desejosa de ler depois de ler a maneira como ela escreve neste).

Peguei neste livro, em parte, porque toda a gente andava a falar nele. Mas acima de tudo, peguei nele porque este prometia mudar a maneira como eu encaro a vida, e prometeu incentivar-me a viver uma vida mais criativa. E como eu não estou a passar por uma das melhores fases da minha vida e estou a precisar de inspiração, decidi lê-lo.

Ainda bem que eu segui o meu instinto, foi um dos melhores livros de auto-ajuda que já li ( e olhem que eu já li muitos). Foi tão bom que não poderia fazer os típicos reviews de livros que costumo fazer, tive que fazer um post especial para este.

Se querem levar uma vida mais criativa, este livro é " A Bíblia". A autora dá conselhos tão maravilhosos e tão sinceros, baseados na própria experiência de vida dela, e em outras tantas histórias inspiradoras que se foram cruzando no caminho dela.

O livro está dividido em seis capítulos ( Coragem, Encantamento, Permissão, Persistência, Confiança e Divindidade) , cada um deles com muitas histórias inspiradoras, conselhos e lições.

Este é um livro de auto-ajuda, mas ao contrário dos outros, este não nos diz o que fazer, dá-nos antes pistas, sugestões  " relances" de caminhos que poderemos escolher, mas a decisão final é nossa.

A autora começa por desmistificar, no início, o conceito de vida criativa. Uma vida criativa não é só para quem quer ser artista, mas para todos nós, quer sejamos médicos, professores, enfermeiros, cabeleireiros, empregados de bar,... Não é preciso abandonar o emprego ou mudar de religião para levar uma vida mais criativa ( mas se for esse o caso, vão em frente!), são as pequenas atitudes que tomamos que fazem toda a diferença.

Embora este livro se aplique a todas as pessoas, se forem aspirantes a escritores e/ou bloggers, este livro então é para vocês. Como blogger e aspirante a escritora, identifiquei-me bastante com este. E aqui fica a maneira como este mudou a minha vida.


1. O medo é necessário: A maior parte dos livros de auto-ajuda dizem que o medo é um obstáculo e, se queremos atingir os nossos objetivos, temos que eliminá-lo. Elizabeth Gilbert mostra-nos o contrário. O medo é necessário para nos proteger dos perigos reais, como andarmos feitos malucos pela floresta ou pelo meio da estrada. O medo é o nosso instinto de sobrevivência mais básico, portanto não podemos descartá-lo. No entanto, não podemos deixar que este assuma o controlo dos nossos sonhos e nos impeça dos realizar.

2. Há uma diferença entre ser corajoso e ser destemido: No mesmo âmbito do medo, a autora explica a diferença entre ser corajoso e ser destemido. " Coragem significa fazer algo que nos causa medo. Destemor significa não entender sequer o que a palavra medo significa". Estas duas frases fazem todo o sentido! Devemos arriscar, mas não nos podemos esquecer das ameaças que podem surgir, e é aí que o medo desempenha um excelente papel.

3. Esquece os sucessos e os fracassos:  Sempre achei que o fracasso era o primeiro passo para o sucesso, e sempre o usei como medida do meu valor. Apesar de sim, os fracassos serem importantes, porque podemos aprender com eles e evoluir enquanto pessoas, não são, de todo, definidores do nosso valor. A autora diz que devemos medir o nosso valor, não em função de sucessos e fracassos, mas sim em função da nossa dedicação ao caminho escolhido. Se já estão algum tempo empenhados num certo objetivo e ainda não desistiram, já se podem sentir de parabéns.

4. Toda a gente pode levar uma vida criativa: Como já referi neste post, toda a gente pode levar uma vida criativa, mesmo nas profissões ditas convencionais.

5. Ser autêntico é mais importante que ser original: Quando têm uma ideia , é muito provável que alguém já a tenha tido e até alguém já a tenha posto em prática. Por exemplo, se querem escrever um livro sobre vampiros, já muitas pessoas escreveram um livro sobre esse tema antes de vocês. No entanto, não existe nenhum livro com a vossa visão, com a vossa maneira de ver as coisas, e é isso que o torna único. É esta a diferença entre ser autêntico e ser original. Se forem genuínos o suficiente, serão sempre originais.

6. Não é o sofrimento que faz a arte,  faz-se arte apesar do sofrimento: No mundo ocidental, há uma crença muita enraizada de que só se pode fazer arte se tivermos em sofrimento. Ora, por esta ordem de ideias, se formos felizes e estivermos bem com a vida, nunca criaremos algo bonito, o que é totalmente mentira! Embora a experiência do sofrimento nos dê sensibilidade para criarmos algo magnífico, com o qual as pessoas se identifiquem, se tivermos sempre a experienciar dor não estaremos a dar espaço para a que a criatividade se desenvolva, estaremos sempre tristes, revoltados com a vida. Foi assim que muitos artistas famosos foram levados à ruína, porque se deixaram levar de mais pelo sofrimento.  Já diz a autora " não consigo criar um drama fictício se tiver a viver um drama real".

7. Temos que trabalhar sempre, independentemente dos resultados: A vida criativa é imprevisível, se queremos vivê-la temos que estar constantemente a correr riscos, riscos que muitas vezes não compensarão e não nos levarão a lado nenhum. Mas se amamos muito aquilo que fazemos, trabalharemos independentemente das críticas boas ou más que receberemos, independentemente das nossas inseguranças e do nosso ego, independentemente dos resultados que podem advir do nosso trabalho, sejam estes bons ou maus. Continuaremos sempre a criar e a trabalhar nas coisas que gostamos, só porque sim, porque é mesmo aquilo que gostamos.


Já alguém leu este livro? O que acharam?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

6 comentários:

  1. Sei bem qual é a sensação de ter um livro que 'muda a vida', é realmente muito bom.
    Não conhecia o blog mas adorei e já estou a seguir!
    Se quiseres passa também no meu e se gostares segue :)
    Beijinhos!
    An Aesthetic Alien | Instagram

    ResponderEliminar
  2. Quando me aconselhaste este livro, fiz uma pequena pesquisa que me deixou bastante curiosa... Mas depois desta tua review, tenho ainda mais razões para investir nele e absorver tudo aquilo que ele tem para me ensinar!
    Tens aqui uma ótima review! Aposto que muitos ficarão curiosos para lerem o livro em questão!
    Beijinhos!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um livro mesmo bom, lê porque vale mesmo a pena, é realmente uma lição de vida.
      Obrigada :)

      Eliminar
  3. só pelas tuas aprendizagens confesso que fiquei super curiosa para ler o livro :)
    nunca li nenhum livro de auto ajuda mas acho que isso é uma experiência super interessante e que ninguem devia dispensar
    beijinhos

    http://umacolherdearroz.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já li muitos e este é de longe o melhor que eu li até agora :). Aprendes muito com este livro.

      Eliminar